O forno de sinterização para cerâmica de óxido de zircónio com aquecimento à base de elementos de aquecimento elétrico de dissilicieto de molibdénio (MoSi2).

No caso de fornecedores de sistemas CAD/CAM para a produção das restaurações completamente cerâmicas à base de óxido de zircónio (ZrO2) é usado, para além de um scanner 3D e de uma fresadora ou lixadora, um forno de sinterização.

Os requisitos para o processamento destes materiais aumentam continuamente, devido à crescente diversidade de blanks (cortes) de óxido de zircónio e dos líquidos de cor disponíveis no mercado. Para além das características dos materiais destinadas a garantir a maior durabilidade possível do trabalho, a impressão visual de coroas, pontes, pilares, supraconstruções, etc., desempenha um papel essencial.

Para melhorar esta impressão, em anos transatos foram desenvolvidos, para além dos blanks (cortes) brancos, discos translúcidos, altamente translúcidos e totalmente coloridos. Para além disso, o mercado oferece um número crescente de líquidos de cor de vários fornecedores para ajustar a cor do óxido de zircónio à cor do dente do doente. Isto mudou claramente os requisitos nos últimos anos, em particular a nível de fornos de sinterização. Para além disso, a gama de temperaturas está a aumentar e os trabalhos de sinterização com ZrO2 são cada vez mais rápidos. É provável que no futuro, as temperaturas para cerâmicas de óxido de zircónio possam de abaixo dos 1400°C até acima dos 1600°C. A duração do ciclo de queima varia de menos de 15 minutos para coroas individuais até queimas que se realizam durante a noite para restaurações completas. Os materiais que são instalados nos fornos estão expostos a mudanças extremas de temperatura durante anos.

O desafio para a indústria: Descoloração amarelada de óxido de zircónio (ZrO2) por causa de impurezas de óxido de ferro (Fe2O3).

Diz-se frequente e erradamente que os trabalhos com óxido de zircónio sofrem descolorações devido ao óxido do molibdênio(VI) (MoO3), que pode ser liberado por elementos de aquecimento elétrico de dissilicieto de molibdénio. MoO3 é liberado através da oxidação de MoSi2 a temperaturas de 400°C a 600°C. Normalmente, os elementos de aquecimento MoSi2 criam na superfície uma camada protetora de SiO2, que evita a oxidação do material básico. O MoO3 pode ser libertado quando a camada de SiO2 fica muito espessa e se pode lascar ou a camada é destruída por substâncias corrosivas.

Investigações internas [análises químicas, análises de cor por meio instrumento de medição de cor RGB 24 Bit, espectrometria de massa por iões secundários (SIMS)] mostraram que não é o MoO3 em elementos de aquecimento dissilídeo que leva a uma descoloração amarelada de óxido de zircónio, mas a contaminação dos elementos de aquecimento causada por óxido de ferro (Fe2O3).

A solução para a indústria: Elementos de aquecimento de dissilicieto de molibdénio (MoSi2) de alta pureza.

Se os elementos de aquecimento utilizados fornos de zircónio forem feitos com as qualidades padrão MoSi2, ocorrerá esta descoloração amarelada. Os elementos de aquecimento MolyCom®-Hyper 1800 são elementos de aquecimento de alta pureza que têm um nível muito mais baixo de contaminação. Se os requisitos foram mais elevados, podem ser utilizados os elementos MolyCom®-Hyper 1800 Super Clean.

O resultado: Sinterização cerâmicas de óxido de zircónio sem descoloração.

Os elementos de aquecimento MolyCom®-Hyper 1800 e MolyCom®-Hyper 1800 Super Clean são fabricados com as matérias-primas mais puras. Como resultado, a contaminação por óxido de ferro é mantida a um mínimo, de modo que a descoloração das cerâmicas de zircónio é quase completamente eliminada.

 

 

Ficha técnica

Este site armazena cookies. mais informações